Novidades

Radiohead: Banda celebra 20 anos do álbum The Bends

Assim como aconteceu com o adolescente perverso Alex DeLarge no último capítulo da versão original de Laranja Mecânica – Ignorado por Kubrick em sua versão cinematográfica porque o diretor leu a edição americana do livro, sem o tal epílogo –, em The Bends, o revoltadinho Radiohead resolveu crescer. Simples assim. O chororô de um deslocado grunge britânico de Pablo Honey deu lugar a um trabalho mais complexo em texturas e temas que pavimentou o caminho da banda de Oxford rumo sua identidade.

O disco lançado no dia 13 de março de 1995 é, sem dúvida, um dos melhores álbuns de singles dos anos 1990. É bem verdade que pedradas certeiras como ‘High and Dry’, ‘Fake Plastic Trees’, ‘Nice Dream’, ‘Planet Telex’ e ‘The Bends’ não alcançaram o sucesso estrondoso de ‘Creep’ (do disco de estreia), mas a lista consistente de hits apresentados por Thom Yorke, Jonny Greenwood, Ed O’Brien, Colin Greenwood e Phil Selway reinventou o rock de arena, levando densidade às massas.

Depois de The Bends, o Radiohead entrou em uma viagem de discos conceituais cada vez mais soturnos e foi passando, de trabalho em trabalho, de um jovem aberto a novas experiências para um adulto cheio de neuroses. Mas o álbum de 95 foi a base da pirâmide, construída com grandes blocos sólidos da angústia em meio a euforia – que depois mostrou-se vazia como um pastel de queijo – da terceira via de Tony Blair, que anunciava a volta do império britânico ao topo do mundo embalado pelo britpop. “Faith, you’re driving me away/ You do it everyday/ You don’t mean it/ But it hurts like hell”, cantava Yorke em My Iron Lung.

E lá se vão 20 anos do lançamento de um disco que parece exatamente um jovem de 20 anos, que questiona a ordem, que busca novas sensações, que quer deixar a sua marca, e mais importe: mostrando a sua cara. Com The Bends, o Radiohead achou o seu caminho e seu som, algo que muitas bandas procuraram por décadas sem encontrar.

Rafael Argemon on linkedin
Rafael Argemon
Rafael Argemon é jornalista com mais de 15 anos de experiência em mídia online. Passou por portais como NetGol, Estadão, R7, MSN e UOL. Já atuou na editoria de esportes, TV, cultura e games. Também trabalhou como tradutor de filmes e programas de TV, traduzindo mais de 200 títulos entre ficção, documentários, animações, séries e reality shows. Atualmente é editor da Time Out São Paulo, publicação que faz parte de uma rede presente em mais de 50 cidades espalhadas por mais de 30 países.
About Rafael Argemon (9 Articles)
Rafael Argemon é jornalista com mais de 15 anos de experiência em mídia online. Passou por portais como NetGol, Estadão, R7, MSN e UOL. Já atuou na editoria de esportes, TV, cultura e games. Também trabalhou como tradutor de filmes e programas de TV, traduzindo mais de 200 títulos entre ficção, documentários, animações, séries e reality shows. Atualmente é editor da Time Out São Paulo, publicação que faz parte de uma rede presente em mais de 50 cidades espalhadas por mais de 30 países.