Novidades

O Lar das Crianças Peculiares | Crítica do filme

Há pelo menos 10 anos Tim Burton vem fazendo filmes medianos que não lembram em nada suas primeiras produções que o consagraram e o tornaram como um dos grandes nomes do cinema mundial. Infelizmente, O Lar das Crianças Peculiares é outra produção insossa, dirigida por um Burton cada vez mais no piloto automático.

Um dos problemas de O Lar das Crianças Peculiares é a falta de foco. Com uma trama bem simples e previsível, ele poderia ser considerado um simples filme infantil. Mas algumas cenas bem violentas podem assustar os mais pequeninos e agradar os mais jovens. Não que o filme seja ruim, ele apenas é sem identidade. Não tem a marca do diretor, não tem nada que te surpreenda e nada que o engrandece. É simplesmente um filme esquecível.

Em O Lar das Crianças Peculiares, Jake (Asa Butterfield – o jovem protagonista de A Invenção de Hugo Cabret) é um jovem que tem uma forte ligação com o seu avô, Abraham ‘Abe’ Portman (Terence Stamp), que vivia lhe contando histórias fantásticas sobre o seu passado, repleto de personagens misteriosos, que viviam com ele em um orfanato localizado em uma pequena ilha isolada no País de Gales.

Após a morte do seu avô, Jake viaja para aquele país, buscando informações para saber se as histórias que avô contava eram verdadeiras. Chegando lá, ele descobre que o orfanato (O Lar das Crianças Peculiares que dá título ao filme) foi bombardeado em 1943 e a diretora e todas as crianças que viviam ali morreram. Inconformado, o jovem investiga o local e descobre que, na verdade, todos que viviam lá estão vivos graças a um loop temporal que os permite viver o dia do bombardeio repetidamente, no melhor estilo O Feitiço do Tempo.

Junto com as crianças e a diretora Miss Peregrine (Eva Green), ele precisa ajudar o grupo de órfãos a se livrar dos terríveis hollows, liderados pelo vilão Barron (Samuel L. Jackson, mais uma vez no papel de Samuel L. Jackson).

A partir daí o filme vira uma mistura de X-Men com Harry Potter no universo Tim Burton. Cada uma das crianças usa o seu “super poder” para ajudar o protagonista a lutar contra o vilão para tentar fechar esse loop temporal e permitir, assim, que os órfãos e a Miss Peregrine sigam suas vidas adiante. Burocrático do início ao fim, O Lar das Crianças Peculiares é apenas mais um filme dispensável na carreira do diretor.

Fabio Martins on twitterFabio Martins on linkedinFabio Martins on instagramFabio Martins on googleFabio Martins on facebookFabio Martins on email2
Fabio Martins
Santista de nascimento, flamenguista de coração, paulistano por opção. Ama vídeo game, cinema, séries, música, nerdices e cultura pop em geral.
About Fabio Martins (392 Articles)
Santista de nascimento, flamenguista de coração, paulistano por opção. Ama vídeo game, cinema, séries, música, nerdices e cultura pop em geral.