Cinderela: Longa ultrapassa Malévola na estreia

Depois de arrecadar milhões de dólares com as suas fábulas no campo da animação, a Disney encontrou um novo jeito de eternizar e faturar horrores com seus clássicos: Transformar os desenhos em filmes com atores de carne e osso. Só para se ter uma ideia, seu novo sucesso é a nova versão de Cinderela, que estreou nesse final de semana (aqui no Brasil só no dia 26 de março) e arrecadou US$ 132,5 milhões no mundo, sendo que pouco mais de US$ 70 milhões foram só nos Estados Unidos. A marca bateu o recorde de Malévola, que alcançou US$ 69,4 milhões de dólares em sua estreia.

O feito é ainda maior se levarmos em conta que Cinderela não tem versão em 3D, cujos ingressos são mais caros e nem uma protagonista de peso. Ao contrário de Malévola que tinha a força do 3D e era estrelado por Angelia Jolie. Tudo bem que apesar da atriz principal não ser muito conhecida, a jovem Lily James, o filme tem uma excelente coadjuvante: Cate Blanchet, que arrasa no papel da madrasta.

Dirigido por Kenneth Branagh, o filme conta a história da pequena Ella, que após perder os pais é obrigada a viver como criada de sua Madrasta cruel e suas duas irmãs postiças. Sem esperanças de uma vida melhor, sua sorte começa a mudar quando ela conhece acidentalmente um estranho arrojado. Nós já assistimos o filme e publicaremos nossa crítica em breve.

E as transformações de clássicos da Disney em live action não param por aí. Jon Favreau (O Homem de Ferro 1 e 2) está filmando Mogly, o Menino Lobo, que contará com as vozes de atores famosos como Scarlett Johansson, Idris Elba, Bill Murray, Ben Kingsley, Lupita Nyong’o, Christopher Walken e Giancarlo Esposito; A Bela e a Fera, que terá a atriz Emma Watson (a Hermione Granger, de Harry Potter) no papel principal, já está em pré-produção e Dumbo será adaptado por Tim Burton, conforme anunciamos aqui.

Fabio Martins on InstagramFabio Martins on Twitter
Fabio Martins
Santista de nascimento, flamenguista de coração e paulistano por opção. Fã de cinema, música, HQ, games e cultura pop.