Novidades

X-Men: Apocalipse| Crítica do filme

Terceiro filme da nova trilogia dos mutantes da Marvel, X-Men: Apocalipse segue a receita dos filmes anteriores dirigidos pelo diretor Bryan Singer. São ótimas misturas de aventura e diversão, pouca fidelidade aos quadrinhos e nenhuma importância com ordem cronológica ou construção de um universo próprio. São produções que, sim, são sequenciais, mas com liberdade poética para seguir seu próprio rumo e sem se envergonhar com isso.

Se você é daqueles que não se importam com essas coisas citadas acima e não fica chocado que cada filme se passa numa referida década (X-Men: Primeira Classe nos anos 60; X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido nos anos 70 e X-Men: Apocalipse nos anos 80) e os atores não envelheceram nem cinco anos, você vai curtir a nova aventura dirigida por Bryan Singer que, apesar de não dar muita bola para os fãs mais xiitas, sabe transportar o clima das HQs para as telonas como poucos.

X-Men: Apocalipse começa no Egito Antigo, mostrando o processo de transferência de corpo de En Sabah Nur (Oscar Isaac), o primeiro mutante, e seus Quatro Cavaleiros do Apocalipse. Depois de traído, ele acaba enterrado num sono profundo quando será acordado nos anos 80 para destruir o mundo dos homens e criar o dos mutantes.

Nessa referida década, Charles Xavier (James McAvoy) já tem a sua escola para mutantes; Magneto (Michael Fassbender) vive com sua esposa e filha na Polônia; Mística (Jennifer Lawrence) está no filme para não fazer absolutamente nada e somos apresentados (novamente) aos novos velhos personagens: Jean Grey (Sophie Turner), Ciclope (Tye Sheridan), Noturno (Kodi Smit-McPhee), Anjo (Ben Hardy), Tempestade (Alexandra Shipp), Psylocke (Olivia Munn).

É justamente na apresentação dessa nova turma que X-Men: Apocalipse acerta. O elenco jovem traz frescor para a série e os personagens funcionam na trama. Claro que pelo excesso, muitos aparecem como meros coadjuvantes e podem render mais nas prováveis continuações da franquia. Mas a maneira como que eles se juntam na tela para salvar Xavier das garras de Apocalipse é muito bem feita e o resultado na tela é encantador.

Defeitos? Claro que o X-Men: Apocalise tem. As principais dele são a longa duração (145 minutos) e a escalação de atores que estão ali apenas para garantir marketing ao filme. Caso da desnecessária cena de Wolverine (que está ali só para garantir um gordo cachê para o Hugh Jackman) e a insignificância da escalação de Mística, que está ali apenas pelo sucesso de Lawrence na franquia Jogos Vorazes.

Para que X-Men vire uma saga de sucesso como a Marvel faz com suas produções, ou como a DC pretende fazer, a Fox precisa arriscar mais e esquecer de personagens como Magneto, Mística e Wolverine que já deram o que tinha que dar. O universo dos mutantes é muito rico e pode ser explorado de diversas maneiras para ela se torna uma franquia tão importante como as de suas concorrentes. Mas talvez a vontade da empresa seja apenas entreter. E isso ela faz muito bem.

Direção: Bryan Singer
Roteiro: Bryan Singer , Dan Harris , Michael Dougherty e Simon Kinberg
Elenco: James McAvoy, Michael Fassbender, Jennifer Lawrence, Oscar Isaac, Sophie Turner, Nicholas Hoult, Rose Byrne e Olivia Munn.

Fabio Martins on twitterFabio Martins on linkedinFabio Martins on instagramFabio Martins on googleFabio Martins on facebookFabio Martins on email2
Fabio Martins
Santista de nascimento, flamenguista de coração, paulistano por opção. Ama vídeo game, cinema, séries, música, nerdices e cultura pop em geral.
About Fabio Martins (401 Articles)
Santista de nascimento, flamenguista de coração, paulistano por opção. Ama vídeo game, cinema, séries, música, nerdices e cultura pop em geral.