Novidades

Crítica| Warcraft – O Primeiro Encontro De Dois Mundos

Warcraft – O Primeiro Encontro De Dois Mundos tinha muitos elementos para dar certo. Um grande orçamento, um diretor novo com trabalhos interessantes (Duncan Jones, e Lunar e Contra o Tempo), um protagonista que estrela uma série de sucesso (Travis Fimmel, de Vikings) e um grande estúdio, a Universal, para bancar a empreitada. Mas o resultado é um filme tedioso, apressado, lotado de batalhas intermináveis e interpretações terríveis.

Mas o grande problema de Warcraft – O Primeiro Encontro De Dois Mundos é algo que ultimamente está – infelizmente – sendo colocado em segundo plano em Hollywood. A contratação de bons roteiristas. A história é uma maçaroca que parece ter sido escrita por um garoto de 15 anos que acabou de assistir a trilogia Senhor dos Anéis, os piores filmes medievais e aventuras épicas possíveis e depois disso foi escrever um texto preguiçoso, repleto de clichês e com diálogos dignos de pena.

Muitos acreditavam que esta seria a primeira adaptação de qualidade de um game famoso. Mas o resultado é o pior possível. Em termos de atuações e história, Warcraft – O Primeiro Encontro De Dois Mundo alcança o mesmo nível daquele Street Fighter estrelado por Jean-Claude Van Damme. Fimmel (Anduin Lothar) praticamente repete o seu papel em Vikings, sem nada a acrescentar. Paula Patton (Garona) ficou meio enfadonha com aqueles dentinhos falsos que só prejudicam sua fala. Ben Foster (Guardião) e Dominic Cooper (Rei Llane Wrynn) são fraquíssimos e Ben Schnetzer (Khadgar) conseguiu a façanha de ser o pior deste fraco elenco.

A história de Warcraft – O Primeiro Encontro De Dois Mundos se passa no pacífico reino de Azeroth, que terá que lidar com a invasão de guerreiros Orcs que estão a procura de um novo mundo para colonizar. Com isso, o rei Llane Wrynn reúne sua tropa de guerreiros, magos, anões, elfos e outras criaturas fantásticas para lutar contra os monstrengos e proteger o reinado. Enredo criativo, não?

Como se isso não fosse o suficiente, o filme sofre com a necessidade de agradar gregos e troianos. E falha miseravelmente em ambos. Não é uma produção que vá agradar quem não conhece o jogo e vai irritar os jogadores (principalmente os mais xiitas) do game por causa de algumas diferenças da obra original.

Claro que visualmente o filme é um deslumbre, com efeitos especiais de ótima qualidade e um CGI convincente, principalmente na criação dos Orcs e os cenários digitais. Mas isso é pouco para um filme de qualidade. Ao invés de gastarem a maior parte do orçamento em efeitos especiais e investissem em um roteirista de primeira, o resultado com certeza seria melhor do que essa versão B de Senhor dos Anéis pode oferecer.

Fabio Martins on twitterFabio Martins on linkedinFabio Martins on instagramFabio Martins on googleFabio Martins on facebookFabio Martins on email2
Fabio Martins
Santista de nascimento, flamenguista de coração, paulistano por opção. Ama vídeo game, cinema, séries, música, nerdices e cultura pop em geral.
About Fabio Martins (391 Articles)
Santista de nascimento, flamenguista de coração, paulistano por opção. Ama vídeo game, cinema, séries, música, nerdices e cultura pop em geral.