Novidades

Star Wars: O Despertar da Força| Crítica do Filme

Depois de muito mistério e especulação, enfim, Star Wars: O Despertar da Força estreia nos cinemas de todo o mundo. E para a alegria dos fãs da saga criada por George Lucas, J. J. Abrams não só respeitou a trilogia original, como foi muito além, entregando um produto que vai agradar não só os nostálgicos e mais radicais, como também vai conquistar um novo público e ajudar a formar uma nova legião de fanáticos por essa franquia espetacular.

E tudo isso porque Abrams, além de saber dialogar com a nova geração, soube explorar o que há de melhor na trilogia original. Com um roteiro muito bem feito, em que ele escreveu junto com Michael Arndt e Lawrence Kasdan (roteirista de O Império Contra-Ataca e O Retorno de Jedi), ele nos entrega uma história coesa, simples, que respeita o lado místico e familiar da saga.

Para não estragar a surpresa, a história (bem resumida) de Star Wars: O Despertar da Força é a seguinte: 30 anos depois dos acontecimentos de O Retorno de Jedi, os remanescentes do Império ressurgem com a Primeira Ordem, grupo que quer acabar com a Resistência e, consequentemente, com a Nova República. No centro dessa disputa está Luke Skywalker, último mestre Jedi, que está desaparecido e sendo procurado por ambos os lados.

Tudo é muito bem dosado no enredo. Há humor, aventura, drama, suspense e ação na medida certa. Sem contar que praticamente todas as apostas do diretor deram certo. As falhas (pequenas, mínimas) existem, mas elas não diminuem em nada a qualidade de Star Wars: O Despertar da Força.

Rey e FinnProtagonistas
Os racistas que vomitaram besteiras nas redes sociais reclamando que um dos protagonistas de Star Wars: O Despertar da Força é um ator negro caíram do cavalo. John Boyega está ótimo no filme e seu personagem (o Stormtrooper arrependido Finn) é incrível. A sua evolução na trama e sua relação com Rey é, sem sombra de dúvidas, um dos pontos altos do longa.

E aqueles que torcem o nariz para personagens femininos fortes vão ter que engolir a protagonista Rey (interpretada maravilhosamente por Daisy Ridley). Ela é o centro de Star Wars: O Despertar da Força e conduz com maestria os acontecimentos do filme. Sua história não fica tão explícita, mas é evidente a sua importância para o futuro da saga.

visualVisual
O visual de Star Wars: O Despertar da Força é deslumbrante. As locações onde o filme foi rodado são lindas e isso enriquece ainda mais o filme. Abrams fez o caminho inverso de Lucas em sua segunda trilogia. Deixou o mundo digital de lado e investiu em cenários de verdade. Com isso o filme ficou muito mais realista e sem aquela impressão de desenho mal acabado feito por computação gráfica.

O retorno do elenco original
elenco originalA volta dos personagens clássicos é um ganho imensurável para Star Wars: O Despertar da Força. O melhor é que eles não estão ali apenas para agradar os fãs mais nostálgicos. As presenças de Han Solo (Harrison Ford), Chewbacca (Peter Mayhew), Princesa Leia (Carrie Fisheer) e Luke Skywalker (Mark Hamill) são importantes e fazem sentido para o desenrolar da trama.

O vilão
Kylo RenKylo Ren (Adam Driver) é um vilão. Simples assim. Ele tem personalidade forte, tem seus propósitos, tem sua obstinação, conflitos internos, sangue nas veias, atitude, postura e uma adoração ao Lado Negro da Força que obrigatoriamente traz às nossas lembranças o melhor (ou seria o pior?) de Darth Vader.

Digitalizações
Embora os cenários sejam , os robôs, naves e grande parte das criaturasTFA-Lupita-and-Maz estranhas serem “reais”, existem sim personagens digitalizados em Star Wars: O Despertar da Força. E eles funcionam muito bem, principalmente porque não há o exagero que Lucas fez na trilogia anterior. Irreconhecível, Lupita Nyong’o da vida a mística Maz Kanata, enquanto Andy Serkis (talvez o melhor ator de personagens digitalizados da história) vive o Líder Supremo Snoke. Os efeitos dos personagens são sublimes e os atores sobram em seus papéis, que, ao que tudo indica, terão importância na saga.

BB-8
O novo dróide da saga é um show a parte. Serve como alívio cômico, tem sua relevância para os planos da Screen-Shot-2015-04-17-at-08.36.20Resistência, é encantador e vai agradar em cheio o público infantil. Tudo bem que não precisa de muito esforço, mas, para se ter uma ideia, o pequeno BB-8 é muito mais expressivo e carismático que Hayden Christensen (o Anakin Skywalker da trilogia dispensável).

Eu ainda acho que é muito cedo para dizer se O Despertar da Força é tão bom ou melhor que os longas da trilogia original. Mas, sem sombra de dúvidas, é infinitamente melhor que A Ameaça Fantasma, O Ataque dos Clones e A Vingança dos Sith juntos. É um filme que vai agradar tanto os fãs de Star Wars, quanto os fãs de Guerra das Estrelas.

Fabio Martins on twitterFabio Martins on linkedinFabio Martins on instagramFabio Martins on googleFabio Martins on facebookFabio Martins on email2
Fabio Martins
Santista de nascimento, flamenguista de coração, paulistano por opção. Ama vídeo game, cinema, séries, música, nerdices e cultura pop em geral.
About Fabio Martins (401 Articles)
Santista de nascimento, flamenguista de coração, paulistano por opção. Ama vídeo game, cinema, séries, música, nerdices e cultura pop em geral.