Novidades

Poltergeist: Remake desnecessário

Remak e reboot são temas polêmicos no universo cinematográfico. Quando se trata de uma versão de um filme desconhecido, as reclamações são menores e a possibilidade de acerto são maiores. Agora quando se trata de um clássico, as coisas são mais difíceis porque é muito raro o novo filme se igualar ao material original e quase impossível de superá-lo. É o caso de Poltergeist, que estreia hoje nos cinemas brasileiros.

A história do filme é basicamente a mesma. Uma família tradicional formada pelo pai Eric Bowen (Sam Rockwell), a mãe Amy Bowen (Rosemarie DeWitt), a filha mais velha Kendra Bowen (Saxon Sharbino), o filho do meio Griffin Bowen (Kyle Catlett) e a filha mais nova Madison Bowen (Kennedi Clements) que mora no subúrbio de uma cidade nos Estados Unidos, tem sua casa assombrada por fenômenos paranormais. A caçula acaba sendo tragada pela casa pelos espíritos que lá habitam e os pais procuram uma equipe de parapsicólogos para limpar a casa e ajudar a trazer a menina do lugar desconhecido que ela se encontra.

Claro que os efeitos especiais do novo filme dão um banho no bom e velho Poltergeist. Mas isso e muito menos o desnecessário 3D não agregam muita coisa no remake. Falta alma, falta clima e, sobretudo, falta delicadeza. É um bom filme? Sim. Mas é realmente preciso fazer uma nova versão desse clássico do terror? Não.

Todos os elementos interessantes e bem dosados no longa original são elevados no novo Poltergeist. A cena do palhaço, uma das mais clássicas do gênero, aqui se torna banal porque usam e abusam desse recurso. Falta mão do diretor pra segurar a onda. O ponto positivo dessa nova versão é a atualização da história. Os filmes são contemporâneos com suas respectivas épocas. Em 1982, pouca tecnologia, em 2015 entram em ação smartphones, tablets e até um drone. E esses novos elementos são bem utilizados na história.

Outro fator positivo da nova versão é o senso de humor, que também está presente no longa original. O filme sabe dosar esses momentos com os de suspense e dá uma leveza boa na trama. Pena que faltou um pouco mais de ousadia, algo que não dá para entender, já que o produtor do remake é o Sam Raimi, um ótimo diretor, principalmente quando o assunto é terror.

Embora não seja lá grande coisa, o novo Poltergeist é um filme agradável, que dá para assistir (de preferência) confortavelmente no sofá da sala. E reascende o debate sobre remakes e reboots. É realmente necessário refilmar um clássico?

Fabio Martins on twitterFabio Martins on linkedinFabio Martins on instagramFabio Martins on googleFabio Martins on facebookFabio Martins on email2
Fabio Martins
Santista de nascimento, flamenguista de coração, paulistano por opção. Ama vídeo game, cinema, séries, música, nerdices e cultura pop em geral.
About Fabio Martins (392 Articles)
Santista de nascimento, flamenguista de coração, paulistano por opção. Ama vídeo game, cinema, séries, música, nerdices e cultura pop em geral.