MasterChef Brasil S02E06| 13 candidatos competem

Assistir a nova temporada de MasterChef Brasil está se tornando um teste de paciência. Infelizmente a TV aberta brasileira vive uma crise de ideias e quando alguma atração se destaca, ela sofre com a superexposição. O que a Band faz com o programa é imperdoável. Quase duas horas no ar para algo que deveria durar 45 minutos ou, no máximo, uma hora é a prova de que a emissora não sabe editar.

Além da péssima edição, outro fator compromete a qualidade do MasterChef Brasil: a marra dos jurados na hora de provar a comida dos candidatos. É irritante ver Henrique Fogaça, Paola Carossela e Erick Jacquin intimidarem os candidatos na hora de provar os pratos. Nada contra os esporros pós degustação, mas ficarem com marra na hora de provar é ridículo. Deveriam se espelhar em Gordon Ramsay, Graham Elliot e Christina Tosi (que substituiu Joe Bastianich na atração original), que vão provar os pratos animados e só soltam os cachorros (e são bem mais bravos que os brasileiros nesse quesito) quando o candidato faz besteira.

Mas vamos falar do programa em si. Apesar do tempo longo demais, esse episódio de MasterChef Brasil se salvou por causa do ‘tempero baiano’. A guerra pessoal travada pelos conterrâneos Cristiano Oliveira e Iranete Santana foi maravilhoso e rendeu ótimas frases do agente de trânsito. A briga começou na escolha das equipes e do cardápio que seria servido na casa do cônsul da França em São Paulo, Damien Loras. No final, os capitães escolheram o mesmo time da prova dos cadetes da Força Aérea Brasileira.

Ao contrário da prova de equipe anterior, o time azul acertou na organização e venceu novamente (dessa vez com facilidade) a equipe vermelha. Jurados, convidados e o anfitrião ‘azularam’ na hora do voto e salvaram a equipe de Cristiano da prova de eliminação. Pior para Iranete que, além de encarar o desafio da lasanha com massa fresca, teve que abrir a massa usando o bom e velho rolo de macarrão. Presente do agente de trânsito, que teve a sua “vingança do tucupi”.

A prova eliminatória do MasterChef Brasil teve aquele velho festival de erros dos candidatos. Impressionante como erram a mão em provas fáceis. Lasanha é um prato que, embora não seja brasileiro, é muito apreciado no país e qualquer cozinheiro que se preze sabe preparar essa iguaria. Iranete e a carioca Izabel Alvares ficaram na berlinda e a gordinha chorona acabou sendo eliminada por fazer o pior prato da noite. Decisão que revoltou Cristiano, fazendo com que o baiano soltasse a melhor pérola da noite: “Ah bicho do cão… Tem parte com o diabo essa porra”. A eliminação foi justa. Embora ela seja muito melhor que a baiana, que a Sabrina e que outros candidatos fracos que ainda estão na competição, o que ela fez não foi uma lasanha. Ponto final.

Fabio Martins on InstagramFabio Martins on Twitter
Fabio Martins
Santista de nascimento, flamenguista de coração e paulistano por opção. Fã de cinema, música, HQ, games e cultura pop.