Novidades

HQs: Três histórias unidas pelo tempo e o espaço

Tempo e espaço andam se beijando em nossas cabeças desde 1905. As publicações de Albert Einstein sobre luz e movimento alteraram a percepção newtoniana da imobilidade espaço temporal e prepararam psicologicamente o século XX para a intensificação das relações promíscuas entre hora e metro: invenções como avião e container derrubaram barreiras temporais, modificando a relação espacial; a interação com computadores permitiu a criação de avatares virtuais e armazenamento infinito de memória. Fácil deduzir que iria haver descompasso entre espaço-tempo e que não seria necessariamente legal.

“Até aí, tudo bem, qualquer sociedade pré-colombiana nas Américas já manjava essas mumunhas”, dirá o leitor exigente de Dimensão Geek. Verdade. Seja o céu desabando nas nossas cabeças, ou búfalos tossindo fogo na planície, os mitos demonstram que o equilíbrio da relação tem que ser mantido para que não haja o fim de tudo. E os mitos modernos são as histórias em quadrinhos. Três exemplos entre as que lidaram com o descolamento do espaço-tempo na realidade: “Os Invisíveis”, de Grant Morrison; “Prometeia”, de Alan Moore; “Planetary”, de Warren Ellis. As histórias são ligadas pelo colapso da realidade e o iminente fim de tudo, dando deixa não para a busca de soluções – não as há -, mas modos de resistir e conviver.

“Os Invisíveis” (“The Invisibles”, Vertigo Comics) foi publicada entre 1994 e 2000. É absolutamente não linear. Há um fiapo de enredo até metade das edições: adolescente super dotado é contatado por grupo secreto de heróis para combater forças desestabilizadoras do Real. Ideia gloriosamente abandonada em favor de narrativa fragmentada e lindamente multifacetada, explodindo ideias de “bem-mal”, “certo-errado”. Obviamente, dá um pé na bunda do Real também. A divisão entre ciência e natureza destes nossos tempos desequilibrados é a faísca da história. O grupo transita entre vírus cromados bugadores de neurônios e alucinações xamanísticas de peyote. As últimas edições radicalizaram a proposta e desbundaram para anarquia existencial. Pense as últimas páginas do “Ulysses” de Joyce com travecos brasileiros subindo a ladeira de Ogum – é sério, tem isso lá.

Não menos macumbeiro é “Prometeia” (Promethea, America’s Best Comics/Wildstorm), publicado entre 1999 e 2004. Cabalístico, na realidade (qual?). Nova iorquina é escolhida para ser a nova Promethea, guardiãs milenárias do multiverso. O problema é que algo deu errado entre as realidades habitáveis e pode ocorrer um cataclisma. Dá-lhe Promethea a peregrinar os Sepiroth, níveis de consciência cósmica da cabala judaica. Páginas sensacionais, onde as linhas entrecruzáveis do antes-agora-depois guiam nossa heroína em sua jornada. Só acaba quando a cabala acaba, então não há fim, já que não houve começo.

“Planetary”(Wildstorm) foi publicado entre 1999 e 2009. É o mais linear dos três, o que não quer dizer muito. Organização secreta procura defender a terra de super vilão. Não demora e notam que o problema pode estar entre universos. As edições referenciam questões clássicas da ficção científica, como aliens, monstros e viagens no tempo. A abordagem, entretanto, não é de clichê: as respostas podem estar na barriga de leviatãs pré-históricos ou dentro de uma flor. As linhas do espaço e do tempo são estilingadas todo momento e não são tabefes e pipocos que vão resolver a falta de chão. “Planetary” saca bonito a conversinha que é o “existir de maneira concreta”.

Para terminar, dois objetos que minam o Real do jeito que as histórias em quadrinhos acima fazem: o Relógio do Juízo Final é mantido desde 1947 por comitê de cientistas que, inicialmente, contavam os minutos para um fim por catástrofe nuclear. Atualmente, a hecatombe vai chegar pela bomba ecológica que é a humanidade em si. De acordo com os ponteiros do bicho, que são adiantados ou atrasados pela iminência de colapso, nunca estivemos tão perto do bau-bau; Cruzeiro do Sul é um cubo de 9 milímetros criado pelo artista plástico Cildo Meireles em 1970. A especificação é que o objeto seja exibido em sala vazia de pelo menos 200 metros quadrados. Desse modo, há diálogo entre o macro do entorno e o mínimo do cubo, confundindo nossas percepções acerca de espaço.

Itamar Alves
Itamar Alves, infelizmente mora no Guarujá, mas compensa tendo nascido no Recife.
About Itamar Alves (17 Articles)
Itamar Alves, infelizmente mora no Guarujá, mas compensa tendo nascido no Recife.