Novidades

Demolidor| Análise da segunda temporada

Demolidor (Daredevil, 2015-2016), série do canal pago da internet Netflix, estreou sua segunda temporada em março deste ano. Como de hábito, todos os episódios foram disponibilizados de uma só vez, o que permite a maratonistas de sofá assistir aos 13 capítulos em bloco e os comparar com os do ano passado. Vale a cotejada, uma vez que o roteiro se utiliza de desenvolvimento de questões similar ao que vem ocorrendo fora da tela, assim como escancara diferenças das adaptações de quadrinhos para o cinema e para a televisão. Não há meios de se aprofundar em um roteiro que esteja limitado a um par de horas, como acontece nas adaptações de quadrinhos dos grandes estúdios.

O enredo tem como centro as atividades de Matthew Murdock, advogado criminalista de dia e vigilante das ruas à noite. Cego, por conta de um acidente radioativo na infância, Murdock desenvolveu os quatro sentidos restantes de maneira sobre-humana e foi treinado nas artes ninja. Aos poucos, ele foi concebendo a identidade do Demolidor, procurando conjugar seus dois empregos em uma simbiose “pega-e-prende”: aquele que escapasse ao sistema penal, defendido pelo advogado, seria reconduzido à força ao sistema carcerário, pelo vigilante. A ética de Murdock/Demolidor é bastante específica, ou seja, não matar em hipótese alguma e confiar na justiça em que ele acredita: a lei, dos bons, vence o crime, dos maus.

O grande trunfo da série é explorar nos episódios maneiras de complicar, progressivamente, o binarismo cristão do herói (Murdock é católico ferrenho, enquanto o Demolidor veste-se como um demônio). Para isso, a multiplicidade dos ultratempos modernos explode na Nova Iorque de Demolidor, seja na diversidade étnica e de gênero, ou no cruzamento de interesses globais do crime organizado. As encruzilhadas propostas pelo roteiro são várias e chegam ao ponto de colocar os personagens periféricos no mesmo plano de importância do herói para que você, espectador, chegue a alguma conclusão sobre os acontecimentos. As convergências com os impasses urbanos da atualidade são notáveis e nos permitem imaginar três linhas de discussão, no roteiro, que mimetizam questões correntes: urbanização, gênero, judicialização da sociedade.

Demolidor tem uma marcação territorial forte, focada na periferia. Enquanto o Homem-Aranha e Jéssica Jones patrulham Manhattan, Murdock não sai do bairro de Hell´s Kitchen, lugar bastante similar a uma Itaquera paulista. Ali, na primeira temporada, ele se confronta com o inferno corrente da re-urbanização, ou seja, remoções de cidadãos e planificação de áreas comerciais, a mais pura segregação urbana. Patrocinada pelo Rei do Crime, o maior arqui-inimigo de Murdock no mundo dos vivos, há uma tentativa de renovação territorial para cima dos habitantes de Hell´s Kitchen que lembra os desmandos do governo federal durante os preparativos para a Copa do Mundo de 2014, ainda em curso para as Olimpíadas cariocas deste ano. A confluência de interesses do crime organizado global na periferia dos grandes centros urbanos também é explorada na série, com diversos grupos de imigrantes disputando as rotas de tráfico de drogas e de pessoas. Claramente, estamos mais próximos da perifa de The Wire que dos heróis brejeiros de Smallville.

Gênero e diversidade racial são elementos ostensivos do roteiro. A segunda temporada, especialmente, deixa claro que mulheres são a base para que o enredo se desenvolva. Da promotora latina que inferniza o escritório de advocacia do herói à parceira ladymacbethiana do Rei do Crime, sem esquecer da centralidade do personagem Elektra, são elas que avançam as questões centrais de Demolidor: poder e territorialidade. Ressalte-se a variedade biocultural de todas, que podem ser loiras, morenas, estrangeiras, latinas, negras. A cidade da série não se fecha sobre uma ou duas linhas fenótipas centrais, prefere enquadrar o caldo cultural grosso que corre solto nas periferias da vida e dar um colorido matriarcal aos escapes interrelacionados do roteiro.

O tema principal da atual temporada é a judicialização da sociedade. Não apenas quanto à discussão do sistema penal, mas discorre igualmente sobre o que significa atuar como um vigilante. A introdução do personagem Frank Castle/Justiceiro como vetor para esse duplo debate foi um golpe de mestre: nas ruas, o Demolidor se vê diante de um vingador nos seus moldes, mas totalmente oposto à sua ética de “não matarás”; no tapetão, Mathew Murdock terá que defender Frank Castle, o nome real do Justiceiro, da sanha não menos morticida do sistema penal. O Demolidor sabe que crimes no espaço público e no espaço carcerário correm em paralelo, o que se choca com sua crença na justiça “boa” que sempre derrota a “má”. Vingadores justiceiros e heróis vigilantes se chocam na narrativa de maneira que transcende a simplificação do conceito de Lei, que anda um tanto em voga nas redes sociais.

O binarismo de Murdock é esticado ao extremo na tentativa de entender os vários aspectos conflitantes dos elementos que se apresentam a ele. A segunda temporada de Demolidor vai fundo em questionar a validade de um pensamento simplificador em relação aos diversos matizes da atualidade, sem sacrificar a série no que ela se propõe a nos entregar, que é um conto de super-heróis moderno. Debaixo de toda a pancadaria que faz o sangue literalmente escorrer na tela, se desenvolve uma ligação cruzada entre todos os elementos que formam uma cidade e que produzem sua beleza e seu caos. Não daria para contar essa história em um filme-pipoca de duas horas, é na serialização de personagens de quadrinhos, aparentemente, que os temas podem ser desenvolvidos de modo mais profundo.

Itamar Alves
Itamar Alves, infelizmente mora no Guarujá, mas compensa tendo nascido no Recife.
About Itamar Alves (17 Articles)
Itamar Alves, infelizmente mora no Guarujá, mas compensa tendo nascido no Recife.