Novidades

A Vilã | Outra bela produção do cinema sul-coreano

Não é de hoje que o cinema sul-coreano é um dos destaques positivos do cinema mundial. O país exporta grandes diretores, sempre apresentando ótimos roteiros e um cuidado especial com a parte técnica do filme, resultando em produções impecáveis, com visuais belíssimos. A Vilã, segundo filme do diretor Jung Byung-Gil, não foge a regra e ainda tem como tema um dos elementos mais importantes das produções asiáticas: a vingança.

Assim como em Confissão de Assassinato, seu outro belo filme anterior, Jung tem um cuidado especial com a fotografia e as coreografias das cenas de ação em A Vilã. A cena de abertura é espetacular, onde o diretor demonstra todo o seu capricho e técnica de filmagem. Ela chega a lembrar a icônica luta do corredor de Old Boy, outra bela produção sul-coreana dirigida por Chan-Wook Park. Mas aqui, o cineasta vai além com o seu trabalho de câmera, alterando por diversas vezes a nossa visão de terceira para primeira pessoa e passando também pela visão do inimigo, dando a impressão de que estamos dentro de um video game.

Após presenciar o assassinato de seu pai (escondida embaixo da cama), a pequena Sook-hee é resgatada e treinada para se tornar uma assassina sanguinária. Em seu desejo de vingança, ela acaba capturada pela Agência de Inteligência Sul Coreana que, ao ver seu potencial, acaba recrutando-a como sua nova agente secreta. Com um novo rosto e agora uma nova identidade –Chae Yeon-soo, atriz de teatro – Sook-hee terá dez anos de trabalho antes de ficar livre de vez. Tudo vai bem até que dois homens cruzam seu caminho e seu passado mistura com o seu presente e pode comprometer o seu futuro.

Com um roteiro preciso, tentando às vezes confundir a cabeça do espectador alternando nossa percepção de quem é o vilão do filme (tática também usada em Confissão de Assassinato), Jung consegue entregar um filme envolvente, divertido, repleto de ação e com cenas memoráveis. Se o cinema americano insiste em continuações, filmes de super-heróis e produções com referências aos anos 80, a Coréia do Sul continua esbanjando vitalidade e frescor.

Fabio Martins on twitterFabio Martins on linkedinFabio Martins on instagramFabio Martins on googleFabio Martins on facebookFabio Martins on email2
Fabio Martins
Santista de nascimento, flamenguista de coração, paulistano por opção. Ama vídeo game, cinema, séries, música, nerdices e cultura pop em geral.
About Fabio Martins (402 Articles)
Santista de nascimento, flamenguista de coração, paulistano por opção. Ama vídeo game, cinema, séries, música, nerdices e cultura pop em geral.