Surpresas, injustiças e humor ácido marcam Globo de Ouro 2020

O Oscar pode ser mais importante e relevante para o cinema que o Globo de Ouro. Mas se formos analisar a transmissão, a premiação que foi apresentada pela quinta e última vez pelo comediante britânico Ricky Gervais dá um baile na concorrência. Mais ágil, menos formal, mais divertida e bem mais humorada, ela é muito mais dinâmica e cativante que a “grande festa do cinema”. E, como vimos na edição deste domingo (5), pode surpreender, cometer algumas injustiças e causar diversas polêmicas.

As principais polêmicas da noite ficaram por conta do monólogo de abertura de Gervais. O humorista abusou do discurso ácido, meteu o dedo na ferida de praticamente todo mundo e com certeza vai deixar saudades como anfitrião do Globo de Ouro. Praticamente impossível substituir o comediante que consegue agradar e constranger ao mesmo tempo, deixar praticamente todo mundo desconfortável e não ter medo de ninguém.

Seus principais alvos foram a Igreja Católica. Ao falar sobre as obras que tiveram pedofilia como tema, ele não esqueceu do filme de Fernando Meirelles.  “Esse foi um grande ano para filmes sobre pedófilos. ‘Surviving R. Kelly’, ‘Leaving Neverland’, ‘Dois Papas’…”, disparou. Mas o melhor ficou para o final quando ele atacou a hipocrisia de profissionais e empresas que pregam dignidade apenas no discurso, como a entrada da Apple no serviço de streaming com o ‘The Morning Show’. “É um drama soberbo sobre a importância da dignidade e de se fazer a coisa certa feita por uma empresa que administra fábricas na China. Vocês dizem que acordaram, mas as empresas para as quais trabalha são Apple, Amazon, Disney… Se o Estado Islâmico começar um serviço de streaming, todos vocês iriam ligar correndo para seus agentes… Vocês não estão em posição de ficar dando palestra pro público sobre qualquer coisa… Vocês não sabem nada sobre o mundo real e a maioria de vocês passou menos tempo na escola do que a Greta Thunberg. Então, se você vencer, não use este lugar para fazer um discurso político. Apenas receba seu premiozinho, agradeça ao seu agente e dê o fora…”. O discurso e as piadas chocaram muitas pessoas na plateia, mas no fundo todo mundo sabe que Gervais está coberto de razão.

O excepcional diretor sul-coreano Bong Joon-Ho, vencedor do premio de Melhor Filme Estrangeiro (o maravilhoso ‘Parasita’), também aproveitou a noite para dar uma alfinetada nos norte-americanos que se recusam a assistir filmes que não sejam do seu idioma. “Quando vocês superarem a barreira de uma polegada das legendas, vocês conhecerão muitos filmes incríveis”, cutucou.

O ano de 2019 foi excelente para o cinema, com diversas produções dignas de vencer diversas estátuas do Globo de Ouro. Algumas barbadas eram previsíveis, surpresas agradáveis surgiram, mas algumas injustiças são incompreensíveis. O Irlandês sair de mãos abanando é um insulto, assim como ‘Toy Story 4’ perder como Melhor Animação para ‘Link Perdido’ e, principalmente, Taron Egerton (‘Rocketman’) vencer Eddie Murphy (que está maravilhoso em ‘Meu nome é Dolemite’) na categoria Melhor Ator em Filme – Musical ou Comédia.

Guerra contra Netflix?

A esnobada que Eddie Murphy, ‘O Irlandês’, ‘Joias Brutas’, ‘Dois Papas, e ‘Histórias de um Casamento’ receberam dá a impressão que a indústria hollywoodiana sentiu o golpe e resolveu se vingar dessas produções da Netflix nesta edição do Globo de Ouro. Por mais que o trabalho de Joaquin Phoenix seja ótimo em Coringa, sabemos que a régua dele é alta. E, portanto, a belíssima atuação de Adam Sandler em Joias Brutas tenha mais valor e merecia muito mais o reconhecimento.

Há anos Murphy vem fazendo filmes ruins e questionado sobre a perda do seu timing para a comédia. Em ‘Meu Nome é Dolemite’ ele está sensacional, engraçadíssimo e mostrou que ainda é capaz de nos fazer rir como fazia nos anos 80. ‘Dois Papas’ e ‘Histórias de Um Casamento’ poderiam ser reconhecidos em alguma categoria. Já o filme de Scorsese é uma obra-prima e que deveria ser muito mais respeitada pela premiação.

Pelo menos Quentin Tarantino não recebeu o mesmo tratamento frio que seus colegas acima. Seu belíssimo ‘Era Uma Vez… Em Hollywood’ abocanhou três estatuetas do Globo de Ouro: Melhor Filme Comédia ou Musical; Melhor Roteiro (Tarantino) e Melhor Ator Coadjuvante (Brad Pitt).

Para o público brasileiro a grande surpresa foi ‘1917’o novo trabalho de Sam Mendes (‘Beleza Americana’).  O novo longa do diretor estreia aqui apenas em fevereiro e quem já assistiu garante que o filme é espetacular e que o Globo de Ouro para Melhor Diretor e Melhor Filme – Drama – foi bastante merecido.

Veja abaixo a relação completa dos vencedores do Globo de Ouro 2020

CINEMA

Melhor filme – Drama

“O Irlandês”
“História de um casamento”
“1917”
“Coringa”
“Dois Papas”

Melhor Filme – Musical ou Comédia

“Era uma Vez em… Hollywood”
“Jojo Rabbit”
“Entre Facas e Segredos”
“Rocketman”
“Meu nome é Dolemite”

Melhor diretor de filmes

Bong Joon-ho (“Parasita”)
Sam Mendes (“1917”)
Todd Phillips (“Coringa”)
Martin Scorsese (“O irlandês”)
Quentin Tarantino (“Era uma Vez em… Hollywood”)

Melhor atriz de filme – Drama

Cynthia Erivo (“Harriet”)
Scarlett Johansson (“História de um casamento”)
Saoirse Ronan (“Adoráveis Mulheres”)
Charlize Theron (“O escândalo”)
Renée Zellweger (“Judy – Muito Além do Arco-Íris”)

Melhor ator de filme – Drama

Christian Bale (“Ford v Ferrari”)
Antonio Banderas (“Dor e Glória”)
Adam Driver (“História de um casamento”)
Joaquin Phoenix (“Coringa”)
Jonathan Pryce (“Dois papas”)

Melhor atriz em filme – Musical ou Comédia

Awkwafina (“The Farewell”)
Ana de Armas (“Entre facas e segredos”)
Cate Blanchett (“Cadê Você, Bernadette?”)
Beanie Feldstein (“Fora de série”)
Emma Thompson (“Late Night”)

Melhor ator em filme – Musical ou Comédia

Daniel Craig (“Entre facas e segredos”)
Roman Griffin Davis (“Jojo Rabbit”)
Leonardo DiCaprio (“Era uma Vez em… Hollywood”)
Taron Egerton (“Rocketman”)
Eddie Murphy (“Meu nome é Dolemite”)

Melhor atriz coadjuvante em filmes

Kathy Bates (“Richard Jewell”)
Annette Bening (“O relatório”)
Laura Dern (“História de um casamento”)
Jennifer Lopez (“As golpistas”)
Margot Robbie (“O escândalo”)

Melhor ator coadjuvante em filmes

Tom Hanks (“Um lindo dia na vizinhança”)
Anthony Hopkins (“Dois papas”)
Al Pacino (“O irlandês”)
Joe Pesci (“O irlandês”)
Brad Pitt (“Era uma Vez em… Hollywood”)

Melhor animação

“Frozen 2”
“Como treinar seu dragão 3”
“Link perdido”
“Toy Story 4”
“O Rei Leão”

Melhor música para filmes

“Beautiful Ghosts” (“Cats”)
“(I’m Gonna) Love Me Again” (“Rocketman”)
“Into the Unknown” (“Frozen 2”)
“Spirit” (“O rei leão”)
“Stand Up” (“Harriet”)

Melhor trilha sonora original para filmes

Daniel Pemberton (“Brooklyn – Sem Pai Nem Mãe”)
Alexandre Desplat (“Adoráveis Mulheres”)
Hildur Guðnadóttir (“Coringa”)
Thomas Newman (“1917”)
Randy Newman (“História de um casamento”)

Melhor roteiro para filme

Noah Baumbach (“História de um casamento”)
Bong Joon-ho and Han Jin-won (“Parasita”)
Anthony McCarten (“Dois papas”)
Quentin Tarantino (“Era uma Vez em… Hollywood”)
Steven Zaillian (“O irlandês”)

Melhor filme em língua estrangeira

“The Farewell”
“Dor e Glória”
“Retrato de uma Jovem em Chamas”
“Parasita”
“Les Misérables”

TV

Melhor ator em série de TV – Drama

Brian Cox (“Succession”)
Kit Harington (“Game of Thrones”)
Rami Malek (“Mr. Robot”)
Tobias Menzies (“The Crown”)
Billy Porter (“Pose”)

Melhor atriz em série de TV – Musical ou Comédia

Christina Applegate (“Dead to Me”)
Rachel Brosnahan (“The Marvelous Mrs. Maisel”)
Kirsten Dunst (“On Becoming a God in Central Florida”)
Natasha Lyonne (“Boneca Russa”)
Phoebe Waller-Bridge (“Fleabag”)

Melhor ator em série de TV – Musical ou Comédia

Michael Douglas (“O Método Kominsky”)
Bill Hader (“Barry”)
Ben Platt (“The Politician”)
Paul Rudd (“Cara x Cara”)
Ramy Youssef (“Ramy”)

Melhor ator em série limitada ou filme para TV

Christopher Abbott (“Catch-22”)
Sacha Baron Cohen (“The Spy”)
Russell Crowe (“The Loudest Voice”)
Jared Harris (“Chernobyl”)
Sam Rockwell (“Fosse/Verdon”)

Melhor ator coadjuvante em série, série limitada ou filme para TV

Alan Arkin (“O Método Kominsky”)
Kieran Culkin (“Succession”)
Andrew Scott (“Fleabag”)
Stellan Skarsgård (“Chernobyl”)
Henry Winkler (“Barry”)

Melhor série – Drama

“Big Little Lies”
“The Crown”
“Killing Eve”
“The Morning Show”
“Succession”

Melhor série – Musical ou Comédia

“Barry”
“Fleabag”
“The Kominsky Method”
“The Marvelous Mrs. Maisel”
“The Politician”

Melhor série limitada ou filme para TV

“Catch-22″
“Chernobyl”
“Fosse/Verdon”
“The Loudest Voice”
“Inacreditável”

Melhor atriz em série limitada ou filme para TV

Kaitlyn Dever (“Inacreditável”)
Joey King (“The Act”)
Helen Mirren (“Catarina, a Grande”)
Merritt Wever (“Unbelievable”)
Michelle Williams (“Fosse/Verdon”)

Melhor atriz coadjuvante em série, série limitada ou filme para TV

Patricia Arquette (“The Act”)
Helena Bonham Carter (“The Crown”)
Toni Collette (“Inacreditável”)
Meryl Streep (“Big Little Lies”)
Emily Watson (“Chernobyl”)

Melhor atriz em série de TV – Drama

Jennifer Aniston (“The Morning Show”)
Olivia Colman (“The Crown”)
Jodie Comer (“Killing Eve”)
Nicole Kidman (“Big Little Lies”)
Reese Witherspoon (“Big Little Lies”)

Fabio Martins on InstagramFabio Martins on Twitter
Fabio Martins
Santista de nascimento, flamenguista de coração e paulistano por opção. Fã de cinema, música, HQ, games e cultura pop.