Ousado e encantador, “Dumbo” é o melhor ‘live action’ da Disney

A onda de live actions da Disney tem se mostrado bastante irregular. Existem acertos, claro, mas a maioria não passa de um remake com poucas mudanças em relação ao desenho original. “Dumbo” (Dumbo, 2019) é o primeiro filme do estúdio que vai além. Usa a animação como ponto de partida para contar uma história original (porém com a mesma estrutura do clássico de 1941), ousada, encantadora e com muitos elementos da carreira do diretor Tim Burton.

O cineasta que teve uma experiência irregular em transformar uma animação Disney em um filme com atores de carne e osso – o insosso Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland, 2010) – adiciona novos elementos, muda o rumo da história, critica a própria empresa e seu parque temático, sem tirar a doçura, tristeza e emoção do elefantinho que nasce com orelhas gigantescas, sofre bullyng é afastado de sua mãe e parte para tentar reencontra-la enquanto descobre que o motivo de ser a chacota do circo lhe dá também o incrível dom de voar.

Em Dumbo, Max Medici (Danny DeVito) é o dono de um circo popular que, após um período de sucesso, excursionando por diversas cidades, está praticamente arruinado. Para piorar a sua situação, um dos seus artistas, Holt Farrier (Colin Farrell), volta da Primeira Guerra Mundial viúvo e sem um braço. Sem função, ele e o casal de filhos Milly (Nico Parker) e Joe (Finley Hobbins) são remanejados para cuidar dos elefantes e acabam se deparando com o pequeno filhote.

Com a carta branca em mãos, Burton adiciona outras subtramas que ajudam a preencher o espaço da história original, cuja animação tem apenas 64 minutos. O drama familiar de Holt que, além de viúvo e sem um braço, não consegue se conectar com seus próprios filhos ganha tão importância quanto a luta de Dumbo em reencontrar a própria mãe, vendida ao empresário ganancioso e extravagante V.A Vandemere (Michael Keaton), dono de um gigantesco parque de diversões e que coloca a Sra. Jumbo junto com outras atrações consideradas bizarras do parque.

Não seria nenhum exagero comparar Vandemere ao próprio Walt Disney e seu parque à Disneyworld, pois a filosofia é bem semelhante: construir um mundo de sonhos onde o público precisa de deslocar até ele ao invés de esperar o circo chegar à cidade. Burton usa o filme para criticar também o modelo de grandes corporações, que compra empresas menores, adicionando apenas a parte que lhe interessa e jogando fora o que não lhe convém.

O visual dark e clima pesado característico em praticamente todos os seus filmes cai como uma luva em Dumbo, considerado um dos desenhos mais tristes da Disney. O visual é de encher os olhos e os efeitos, principalmente quando o pequeno elefante voa, são encantadores. Voltado para toda a família, Dumbo vai encantar e emocionar crianças, mas vai tocar principalmente o coração dos adultos, que se lembrarão das cenas clássicas do desenho que receberam um tratamento especial nessa versão live action.

Fabio Martins on InstagramFabio Martins on Twitter
Fabio Martins
Santista de nascimento, flamenguista de coração e paulistano por opção. Fã de cinema, música, HQ, games e cultura pop.