Os Desviantes é distopia nacional em HQ

capa da HQ nacional Os Desviantes da Guará Entretenimento

Já pensou se as grandes potências do mundo acabassem e só sobrasse a gente? Os países da Europa, Ásia, Estados Unidos, todos destruídos em uma guerra nuclear e o Brasil passando quase ileso? É assim que começa “Os Desviantes,” HQ brasileira publicada pela Guará Entretenimento e lançada agora em maio.

No gibi escrito por Gabriel Wainer e Rafael Kraus; e desenhado por Juliano Henrique o Brasil pós-apocalíptico é ainda mais dividido. Uma casta mais rica, a Fortaleza se destaca dos demais, que vivem literalmente lutando pela sobrevivência em comunidades e se viram como podem e são chamadas de Resistência, pelo simples fato de sobreviverem.

Em relativo conforto dentro dessa miséria toda, está Fióti, um garoto que vive na cola do irmão Isaias, o Caveira, e seu bando que contrabandeia rações e munições e tem contatos fortes dentro de uma das Fortalezas, localizada onde já foi São Paulo.

Contudo, essa tal “elite” não se contenta em ocupar uma posição de destaque, como busca outras formas de supremacia. Eles sequestram adolescentes das castas inferiores para utilizar em experiências e criar superseres dentro do C.A.T.H.A., o Centro de Adaptação e Aprimoramento do Genoma Humano e Tecnologias Aplicáveis. E uma das cobaias é justamente Fióti, escolhido pelo líder do projeto, o Doutor Wine, após mostrar uma tolerância incomum à eletricidade. O garoto é levado e fica preso a uma máquina semelhante a uma encubadora sendo testado de diferentes formas

Após sobrecarregar os sistemas e fugir, Fióti encontra, no meio dos escombros da instalação, Tom, um garoto ciborgue, vítima de experiências feitas pelo próprio pai para que ele voltasse a andar. Os dois seguem em busca de Caveira e acabam encontrando pelo caminho Anita, uma menina de traços indígenas com habilidade de voar. Daqui em diante começa a odisseia do trio para voltarem para casa e confrontar o homem que lhes deu poderes.

Geopolítica futurista

“Os Desviantes” é uma HQ bonita. Bem desenhado e com belas cores, o primeiro volume tem na trama pontos fortes e fracos. Entre os primeiros, está a contextualização do panorama geopolitico. A tristeza é que ele acaba ficando em segundo plano no decorrer da história quando os jovens superepoderosos entram em cena.

Muito parecida com os Novos Titãs da DC, inclusive pela presença de um ciborgue, “Os Desviantes” tentam se acostumar com a natureza de suas novas habilidades enquanto fogem de Wine. Um tema semelhante ao que trazia a antiga série de gibis Gen13, criada por Jim Lee nos anos 1990.

Por falar em temática jovem, a HQ tem bastante potencial, desde que se aprofunde mais na interação entre os personagens e como lidam com seus poderes, como faziam os jovens meta-humanos da Image Comics. O panorama global também merece ser melhor explorado. O único ponto negativo fica por algumas passagens, que parecem corridas demais, como a cena do rapto de Fióti. Então o ideal é que a HQ seja lida sem pausas, em uma tacada só.

No mais, a primeira edição de “Os Desviantes” termina com final que deixa um gancho bom o suficiente para criar ansiedade pelo próximo volume e pelo que a série se tornará no futuro.

Novos heróis, novo universo

“Os Desviantes”, assim como “Santo”, é uma das séries que compõem o universo da Guará Entretenimento. A empresa se define como um núcleo criativo totalmente nacional, que cria, pesquisa e publica quadrinhos com potencial para fazer sucesso em outras mídias.

Embora a editora já tenha achado o caminho com O Doutrinador, filme de 2018 que adapta o anti-herói criado por Luciano Cunha – e que nós falaremos mais pra frente aqui na DG – toda a temática futurista nos faz imaginar o quão ousado (e caro) seria levar a saga de Fióti, Anita e Tom para as telas.

Não encontrou “Os Desviantes” nas bancas ou comic shops perto de você? Sem problemas: Todos os gibis da editora podem ser comprados na internet por meio da Loja do Universo Guará.

Ficha Técnica:

Título: Santo

Editora: Guará Entretenimento

Autores: Gabriel Wainer e Rafael Kraus (roteiro), Juliano Henrique (desenhos) e Alzir Alves (cores)

Capa: cartonada

Lombada: quadrada

Páginas: 96

Formato: 26x 17 cm,

Lançamento: maio / 2019

Carlos Bazela
Jornalista e leitor compulsivo, gosta de cerveja, café e chá preto não necessariamente nessa ordem. Fã de boas histórias, principalmente daquelas contadas por meio de desenhos e balões.