O Rei Amarelo reúne várias faces da loucura em HQ nacional

Capa de O Rei Amarelo em Quadrinhos

Escrito por Robert W. Chambers, O Rei de Amarelo é um romance datado de 1895, que instiga medo e curiosidade até os dias de hoje. O livro é composto por uma coletânea de contos unidos por um mesmo fio condutor: a peça de mesmo nome e a loucura a qual está destinada todos aqueles que conseguem lê-la até o final.

E esse também é o mote de O Rei Amarelo em Quadrinhos, HQ nacional em formato de antologia organizada por Raphael Fernandes, que traz diversas tramas sem ligação entre si, a não ser pela loucura embasada por elementos da história original, como o próprio rei, além de Cassilda e Camila, personagens da peça. E a desgraça que se abate a quem se aprofunda em seu universo, claro.

Com fórmula semelhante ao Despertar de Cthulhu em Quadrinhos, o qual já falamos aqui na DG, O Rei Amarelo mescla diferentes locais e linhas temporais nos contos. Há histórias que se passam aqui no Brasil, no passado e no presente. E até com personagens famosos da História, como e o caso de Edgar Alan Poe, que faz as vezes do Sigmund Freud do volume verde.

O formato também é o mesmo, com toda a HQ ilustrada em preto e branco, mas com nuances de amarelo em pontos estratégicos, o que ajuda a criar um clima de tensão ainda maior, enquanto guia a atenção do leitor. A edição da Editora Draco, aliás, é um show à parte, principalmente a capa feita por João Pirolla e na valorização da única cor que compõe a obra feita pelo papel couché.

Leitura para poucos

Diferente do clima de desespero retratado pela HQ feita com base na obra de H.P. Lovecraft, a loucura dá lo tom neste volume. E isso faz de O Rei Amarelo em Quadrinhos uma leitura instigante, mas incômoda em diversas passagens. Principalmente nos contos mais contemporâneos, que mostram como nossa sociedade atual é vulnerável a surtos psicóticos sem explicação para quem os vê de fora.

Entretanto, quando eu digo incômodo, atento apenas ao fato de que o volume não é dos mais indicados a quem não tem muito estômago para o horror, seja ele explícito ou mais psicológico. Embora a curiosidade instigada por cada uma das páginas seja uma boa injeção de coragem para se chegar até o final.

Já para quem consome obras de terror, temos aqui um livro de qualidade absurda. Com traços bem diferentes de uma historia para outra, o leitor tem a sensação de visitar múltiplos universos paralelos e contemplar diversas vidas destruídas pelo desejo de tentar entender algo que não tem compreensão. O Rei Amarelo em Quadrinhos é um volume no qual o fim da estrada da curiosidade é a loucura e a morte. E é maravilhoso por isso.

Ficha Técnica:
Título: O Rei Amarelo em Quadrinhos
Editora: Draco
Autores: Raphael Ferandes, Pedro Pedrada, Tiago P. Zanetic, Lucas Chewie, Mauricio R. B. Campos, Péricles Ianuch, Airton Marinho, Marcos Caldas, Erik Avilez, André Freitas, Tiago Rech, Victor Freundt, Rafael Levi, Samuel Bono e Raphael Salimena
Lombada: quadrada
Capa: cartonada
Páginas: 164
Formato: 24,6 x 17,6 cm
Lançamento: abril/2015

Carlos Bazela
Jornalista e leitor compulsivo, gosta de cerveja, café e chá preto não necessariamente nessa ordem. Fã de boas histórias, principalmente daquelas contadas por meio de desenhos e balões.