O Gambito da Rainha está influenciando o público feminino a jogar xadrez

Uma das coisas mais legais que acontecem na cultura pop é quando a arte influencia a vida. Principalmente quando a arte em si é a ótima minissérie O Gambito da Rainha, em cartaz na Netflix, e quando a influência é um esporte nobre. A saber, o xadrez. Bem como incentivar o público feminino a se interessar pelo jogo, que é  o tema principal desta produção.

Sucesso

Sucesso de crítica e público, O Gambito da Rainha vem, antes de mais nada, conquistando números impressionantes. A saber, 83% de aprovação dos espectadores e nota 8,9 no IMDB. A título de comparação, considerada a obra prima da Netflix, Dark possui nota 8,8 no mesmo site.

Xadrez

Atenta às tendências de comportamento nos ambientes digitais, a Decode revela dessa forma dados interessantes. Aproveitando o sucesso de O Gambito da Rainha, a empresa de dados detectou assim um crescimento das buscas relacionadas a jogos de xadrez; principalmente entre as mulheres.

LEIA TAMBÉM: O Gambito da Rainha é muito mais do que xadrez

Decode

Após o lançamento de O Gambito da Rainha, a procura por jogadas de xadrez aumentou 150%. Sendo que mais especificamente as mencionadas na série, como o próprio gambito da rainha (250%) e a jogada siciliana (300%). O público das redes se interessou pelo jogo de xadrez. Isso impulsionou também as buscas por maneiras de jogar digitalmente. A saber, ‘Flyordie Xadrez’ (60%), ‘jogar xadrez online’ (40%) e por fim ‘tabuleiro de xadrez luxo’ (160%).

Público feminino

Das pessoas que assistiram à minissérie e demonstraram interesse pelo jogo, 73% são mulheres e 27% são homens. Enquanto isso, no cenário do Xadrez no Brasil, das 100 maiores pontuações no jogo, apenas um foi de participação feminina.

“O contraste entre os números da tendência e o histórico das pontuações é um forte indicativo do peso da protagonista feminina como influência para este comportamento. São dados que reiteram a relevância da representatividade midiática, em obras ficcionais, ou não, como fator de mudanças culturais”

Letícia Diefenbach, analista de Consumer Insights da Decode

A Decode é uma empresa de dados e client acquisition que, a cada semana, realiza levantamentos de dados e sentimento público sobre temas relevantes do momento em diversas áreas. Essa expertise em comportamento do consumidor é uma das bases das soluções de negócios com foco data-driven e maximização de receita elaboradas pela empresa.

O Gambito da Rainha

Nos anos 1950, a jovem Elizabeth Harmon (Isla Johnston) sobrevive a um acidente de carro que vitimou sua mãe. Sem parentes, acaba em um orfanato. Lá descobre o xadrez graças ao zelador Mr. Shaibel (Bill Camp) e o vício em ‘vitaminas’ dadas pelos administradores do local para relaxar as crianças. Depois de anos no internato, ela acaba sendo adotada por um casal. Consigo o amor pelo xadrez e o vício em calmantes para o novo lar.

Rejeitada pelo pai adotivo e pelos novos amigos, Elizabeth (agora vivida pela excelente Anya Taylor-Joy) encontra conforto somente no esporte que aprendeu a amar desde cedo. E justamente no xadrez ela encontra o seu alívio, bem como o sofrimento, principalmente por ficar obcecada pela vitória e sacrificando a sua vida, como os enxadristas sacrificam suas peças, para derrotar seus oponentes.

Ficha técnica

Título original: The Queen’s Gambit
Ano de produção: 2020
Estreia: 23 de outubro de 2020
Criador e diretor: Scott Frank
Elenco: Anya Taylor-Joy, Chloe Pirrie,     Bill Camp, Matthew Dennis Lewis, Russell Dennis Lewis, Marielle Heller; Marcin Dorocinski, Jacob Fortune-Lloyd, Dolores Carbonari, Thomas Brodie-Sangster, Moses Ingram, Harry Melling, Isla Johnston, Janina Elkin, Christiane Seidel, Patrick Kennedy, Akemnji Ndifornyen
País: Estados Unidos
Idioma: Inglês
Gênero: Drama
Indicação etária: 16 anos
Onde assistir: Netflix

Fabio Martins on InstagramFabio Martins on Twitter
Fabio Martins
Santista de nascimento, flamenguista de coração e paulistano por opção. Fã de cinema, música, HQ, games e cultura pop.