Daniel Radcliffe | Defunto vira barco movido a pum

Antes de chegarmos a Daniel Radcliffe e o defunto-barco flatulento, gostaria de estabelecer alguns parâmetros para não escandalizar os fãs do ator.

Pessoas com bom senso e capacidade cognitiva, costumam conduzir suas escolhas de vida de maneira objetiva, clara e, porque não, coerente. Outras se movem por aí sem medir as consequências e acabam dormindo no alpendre da casa da(o) ex-companheira(o) no último dia de Carnaval.

Escolher um filme para assistir segue a mesma lógica. Alguns vão procurar ler a resenha completa, saber quem é o diretor, o elenco, a reação da crítica etc. Outros vão se interessar pelo cartaz bacana, por uma palavra da ação de marketing que lhes chame a atenção ou pela indicação da prima que mora em Sorocaba e acha que o fim de Lost foi “supercoerente”.

Mas um grupo raro e não menos importante, vive em um limbo longe dos extremos, ponderando as informações e ainda assim aceitando conselhos do lado impulsivo e incosequente do cérebro (aquele que nos fez ver Lost até o final).

Ainda assim, com todas as diferenças expostas acima, nenhum desses amantes da sétima arte resistiria à trama de um náufrago que utiliza um defunto como um jet ski movido à flatulência. Para melhorar, esse corpo sem vida é interpretado por Daniel Radcliffe, nosso velho amigo Harry Potter. Irresistível, né?

Apresentado no festival de Sundance desse ano, o filme “Swiss Army Man” (algo como Homem do Exército Suíço), além de Radcliffe, traz o ator Paul Dano em uma fábula estrambólica da melhor qualidade, o que não impediu que boa parte da plateia deixasse a sala antes do fim da projeção.

Para John Cooper, um dos diretores do festival, a exibição foi muito importante porque ele se viu livre da obrigação de ter de explicar a trama para a imprensa, já que ele “não tinha a menor ideia” do que se passava na tela.

Dirigido por The Daniels (como são conhecidos Daniel Scheinert e Daniel Kwan), o filme conta a história de Hank (Dano), perdido em uma ilha que se torna amigo do defundo Manny (Radcliffe) que um dia é trazido pelas ondas. Antes propenso ao suicídio, Hank encontra nova motivação com o amigo e o utiliza como uma embarcação movida a pum.

Como não querer assistir algo assim?

Confira a opinião de gente mais coerente em The Guardian, Pajiba e /Film.

 

Uma entrevista dos diretores e do elenco para o The Hollywood Reporter.

O videoclip de “Turn Down For What”, de Lil Jon, outra pérola do nonsense também dirigida por The Daniels.

Fabio Martins on InstagramFabio Martins on Twitter
Fabio Martins
Santista de nascimento, flamenguista de coração e paulistano por opção. Fã de cinema, música, HQ, games e cultura pop.